Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘descarga’

Como não tem foto da invenção, tem da farra deles por lá: piscininha com mesinha de petiscos da criançada. Aí gente grande nao mete o bedelho.

Como não tem foto da invenção, tem da farra deles por lá: piscininha com mesinha de petiscos da criançada. Aí gente grande nao mete o bedelho.

Theo fala que só o bicho da cobra. Não sei o porquê do ditado. Sei que quando se diz isso de alguém é porque o caboclo gosta de tagarelar. O meu pequeno grande Theo é uma dessas figuras, como já comentei aqui. E se o ditado é real, o empregado a pessoa dele ainda ganha um pedacinho a mais – mudancinha básica –  para fazer ainda mais jus a figurinha: tomou água de janeiro a janeiro. Todo final de semana tem sido de cerca de duas horas pra ir ao destino e mais duas, obviamente, para retornar. Acreditem, Theo vai e também volta falando. Da hora que entra no carro a que sai. É uma coisa realmente surpreendente. : ))

A gente se pega rindo dentro do carro. Não é possível tamanha disposição. Tamanho fôlego. A gente brinca com ele: Theo, respira, filho! E ele sabe que a gente está tirando onda da falação dele. E detalhe: vem contando histórias. É uma atrás da outra. Ele sai arranjando contextos para enfiar ventiladores, máquinas variadas…. olha pela janela e costura detalhes da paisagem as contações. O ventilador que vinha na mala do carro, aí o carro bateu e o ventilador saiu voando; o fio do poste que o moço que conserta subiu e aí encontrou um passarinho que levou um choque. Inclusive, vai contando e explicando ao mesmo tempo. Uma das histórias o moço levou um choque no poste. Ele explicou a avó Carma que na verdade foi uma descarga elétrica que o seu personagem levou. E sabe o que é uma descarga elétrica? É um choque muito, muito grande. É muito choque! : ))

ps: Neste final de semana Theo inventou uma bomba para limpar a piscina igual a que Zé Pedro usa de noite para deixar a piscina limpinha para a criançada pela manhã. Eu não tirei foto, porque tenho dado cessa a essas coisas durante o final de semana. Afinal, máquina, água e farrinha não combinam. Mas tenho me divertido com as invenções dele e suas observações. A bomba ficou muito legal.

Ele também fez uma lancha com uma mesinha de plástico de criança virada com os pés para cima, ele em cima, e o ventilador com o motor ainda pendurado encaixado numa das pernas da mesa. Com ele empurrando a mesa debaixo d´água a hélice gira e pronto. Tudo feito. : ) Ele também fez uma descarga. Na verdade, um banheiro. Pegou uma das partes do banco mil e uma utilidades que a prima Gabi deu (e que já esteve em mais de um montão de invencionices dele postadas aqui) e colocou virado como cone com a boca maior virada pra cima dentro de um balde. Resultado, a água descia pela cone e ele fazia a zoada da descarga. Ficou sentado por muito tempo perto da piscina brincando de banheiro.

Num dos momentos, colocou o ventilador ( o mesmo da lancha) que na verdade só tem duas pétalas e é um ventilador daqueles pequenos todo quebrado (ou arrombado) como ele diz e colocou em cima do buraco do “banheiro”. Tia Hercilia, curiosa pela invenção, perguntou o que era. Theo explicou: quando a pessoa fizer cocô o ventilador já gira e sai o cheiro. Ventila o banheiro. : )) Tia Hercilia riu… afinal, imaginar alguém sentado em cima do ventilador não é lá uma imagem que pareça confortável. Theo ouviu a graça de tia Hercilia e respondeu: aí a pessoa fica rodando em cima do banheiro e caiu na risada junto.

ps2: hoje pela manhã lembrei de outra historinha engraçada de Theo. Ele imitando um passarinho no meio do supermercado. Bem, até saber que era um passarinho levou uns segundinhos me abrindo. Aquela risada incontrolável…. : ) Ele abaixava com as “asas” apoiadas no tronco do corpo, fazendo pchiu, pchiu… apitando com a boca. Pedia para eu tocar nele, quando tocava ele partia em voo… : )) Agora imagine, eu, um carrinho de compras, supermercado lotado, e Theo passando pelo meio das pessoas e se agachando para que eu, em seguida, tentasse tocá-lo. Como passarinho que se preze, voava antes que eu conseguisse tocar e corria em disparada. Eu entre aperreio e riso sem controle ia atrás do pequeno para não perdê-lo de vista.

Read Full Post »